Arquivo
  Especiais
  + Futebol
  PERFIL                            Tabela da Copa do Mundo                       + Artigos
Copa do Mundo FIFA 2010 - definidos os confrontos de oitavas de final

Atual campeã e vice-campeã mundial, Itália e França, respectivamente, voltaram para casa mais cedo. Ambas as seleções obtiveram resultados medíocres, sendo eliminadas logo na primeira fase da Copa do Mundo. Gana representará a África no restante do torneio. A América segue forte na disputa, com sete seleções classificadas entre os dezesseis melhores times, o que pode ser considerado um recorde do continente na história dos mundiais. A partir deste momento do torneio, somente quem vencer seguirá na disputa. Uma derrota eliminará o perdedor. Isso é promessa de uma sequência de grandes partidas. Pelo menos, esta é a expectativa do mundo do futebol e de todos os apaixonados por este esporte.
 
Publicado em 25 de junho de 2010            Por Luciano Patussi *
 


Disponível para debate em: www.futebolartegarra.blogspot.com
Com o torneio afunilando e restando cada vez uma menor quantidade de seleções na disputa, já é possível destacar algumas gratas surpresas do mundial até o momento, tais como:

Uruguai – Após certa irregularidade nas eliminatórias, a "Celeste Olímpica" apresenta a chamada “cara de time”. Os comandados de Oscar Tabarez, treinador uruguaio, mostraram em campo que estão bem orientados. Cada jogador sabe sua função dentro do gramado. É possível discutir, em qualquer equipe, a qualidade de um ou outro jogador. O esquema tático pode ser alvo de críticas ou de elogios. Mas é inegável que o Uruguai, atualmente, é um time coeso, independentemente dos nomes em campo.

Forlán é um diferencial técnico do time. Cavani tem boa movimentação. Todos os atacantes auxiliam a parte tática da seleção. O Uruguai pode surpreender. É um time que, se chegar mais adiante, pode ser campeão. Isso seria uma grata surpresa diante do primeiro campeonato mundial disputado em solo africano.

Eslováquia – Os eslovacos foram responsáveis por eliminar a atual campeã mundial. Na partida em que mandaram os tetracampeões de volta para casa, os comandados de Vladimir Weiss venceram e convenceram. Jogaram muito futebol. Além de força de vontade, a equipe eslovaca apresentou muita organização tática e, até mesmo, maior técnica que o selecionado italiano.
 
Nas eliminatórias para a Copa do Mundo, a Eslováquia já havia surpreendido positivamente, ao ter deixado para trás seus rivais da República Tcheca. Ambos os países formavam, anos atrás, a extinta Tchecoslováquia, que alcançou dois vice-campeonatos mundiais, em 1934 e 1962, e um título europeu, em 1976. O povo eslovaco está em festa e sonha alto. Sua nova seleção vai criando, aos poucos, uma tradição própria e independente.

Portugal – A seleção portuguesa é a equipe que mais me surpreendeu positivamente na primeira fase do mundial. Criticada por muitos veículos de comunicação por sofrer com a procura de um novo líder ao estilo “Felipão”, dentro de campo a seleção comandada por Carlos Queiroz tem mostrado bastante inteligência tática. Queiroz tem montado sua estratégia de acordo com os adversários enfrentados e isso tem dado certo até o presente momento.
 
Na primeira fase, os lusitanos massacraram impiedosamente o time norte-coreano. Empataram em zero contra a Costa do Marfim e contra o Brasil. Se o time não brilhou tecnicamente nos dois jogos, contra os “Elefantes” africanos e contra os “Canarinhos” brasileiros, pelo menos mostrou bastante solidez defensiva. Por isso tudo, Portugal eliminou a Costa do Marfim. Cristiano Ronaldo e Simão, entre outros, podem fazer a diferença no setor ofensivo daqui para frente.

Além destas equipes, é impossível não mencionar a grande campanha realizada pelas seleções paraguaia e chilena. Os sul-americanos estão surpreendendo neste campeonato mundial. Comandados, respectivamente, pelos argentinos Bielsa e Martino, Chile e Paraguai tem atuado com bastante eficácia. Principalmente o Chile, que tem jogado um futebol bastante ofensivo.

Entretanto, creio que ainda faltam alguns detalhes para que estas equipes possam sonhar com um título mundial. Mas a boa campanha existe, está sendo vista por todos e pode melhorar ainda mais. Neste mesmo grupo, podemos enquadrar as seleções de México e Estados Unidos. A campanha do futebol da América no mundial da África é surpreendente, de forma positiva.

Se existiram surpresas positivas nesta primeira fase do mundial, houve também algumas seleções que ficaram para trás, decepcionando completamente suas respectivas torcidas.

França – O time francês sofreu uma queda anunciada. A seleção francesa saiu do país, rumo à África do Sul, sob enorme desconfiança. A classificação para o mundial foi obtida quando a França venceu a Irlanda, pelas eliminatórias, com um gol completamente irregular, mas que foi validado pelo árbitro da partida. O tempo passou e, na disputa em solo africano, a França marcou apenas um ponto, vivendo o estopim de uma crise que teve direito a exclusão de atleta do grupo em meio ao torneio, pedido de demissão do chefe da delegação, bate-boca do preparador físico com o capitão do time.

Tudo isso culminou com a arrogância do treinador Domenech, que se recusou a cumprimentar Carlos Alberto Parreira, o treinador que comandou a África do Sul na vitória dos anfitriões sobre os franceses. Vitória que mandou o time comandado por Domenech de volta para casa. Laurent Blanc, zagueiro francês na conquista do mundial de 1998, é o novo treinador dos "Les Bleus".
 
Itália – Tetracampeã mundial em 2006, a seleção italiana chegou à África do Sul também sob muita desconfiança. A eliminação na primeira fase teve apenas uma diferença em relação ao que ocorreu com a França: o time italiano mostrou muita vontade e orgulho em jogar uma Copa do Mundo. Entretanto, na prática, isso serviu apenas para tornar a eliminação menos dolorosa, já que o final da história foi parecido. A baixa qualidade técnica, aliada à falta de um padrão tático definido, foram as principais causas dos maus resultados em campo.

No mundial, a Itália somou apenas dois pontos, ficando na última posição de seu grupo. Deverá ocorrer uma reformulação geral na seleção italiana. Cesare Prandelli é o novo treinador de "La Squadra Azzurra", substituindo o tetracampeão mundial Lippi, que fracassou no comando da equipe na África do Sul.

Além dessas equipes, particularmente, eu tinha boa expectativa para ver o futebol das seleções da Sérvia e da Dinamarca. Estes times também decepcionaram, em minha particular opinião. Nas eliminatórias, tiveram boas atuações. O time da Sérvia, individualmente, possui jogadores com boa técnica. No caso dos sérvios, entretanto, não há o que justifique a derrota para a Austrália, na última rodada.

Uma equipe que almeja melhores resultados dentro de uma Copa do Mundo, com todo o respeito, não pode perder de uma equipe muito inferior tecnicamente. Não existe mais time amador, ainda mais dentro de uma Copa do Mundo. Mesmo com grande diferença técnica, quem “bobear”, acabará “dançando”. A Sérvia ensaiará a sua particular “dança do adeus” no avião de volta para Belgrado.

Já a Dinamarca foi eliminada, mas é importante ressaltar: o Japão, que eliminou os dinamarqueses, e também a Coreia do Sul, que eliminou a Nigéria e a Grécia, são seleções com muito conjunto. Acredito que o futebol asiático evoluiu muito, principalmente os dois países que, juntos, foram anfitriões da Copa do Mundo de 2002. Entretanto, falta ainda maior evolução e maior técnica. Um título mundial ainda é sonho distante. Mas no confronto dos dinamarqueses com os japoneses, o que foi visto em campo foi um baile, não só técnico, mas também tático. Tudo em favor dos orientais.

O desempenho africano foi abaixo da média neste mundial. Mas isso era algo esperado. A África do Sul contava com o apoio de toda sua população. Entretanto, ao cair no "grupo da morte", os anfitriões passaram a ser uma provável zebra. Zebra que, de fato, não se concretizou. A grande vontade dos "Bafana Bafana" contrastava com a nítida falta de qualidade técnica da maioria dos jogadores.

Camarões e Nigéria já não contam com uma geração de jogadores tão talentosa como em anos anteriores. O resultado obtido por estas seleções foi medíocre, entretanto, isso era algo esperado. O mesmo vale para a Argélia. Por outro lado, a decepção ficou por conta da Costa do Marfim. Na mesma chave de Brasil e Portugal, teve desempenho razoável, mas insuficiente para obter a clssificação.

Dos classificados para a segunda fase, somente Gana seguirá representando o continente que é sede do campeonato mundial. Gana é um time que tem força e boa técnica. Entretanto, falta ainda muito preparo no que diz respeito à obediência tática da equipe. O time pode ir longe, é bem verdade. Mas sonhar com título ainda é um pouco improvável. Algo que somente o futebol é capaz de proporcionar.

Em se falando de título, acredito que existem quatro equipes com reais condições de ser campeã:

O Brasil tem grande conjunto, com três atletas capazes de desequilibrar uma partida, tecnicamente falando – Kaká, Robinho e Nilmar estão entre eles. Além destes, Luis Fabiano e o próprio Elano são imprescindíveis à equipe brasileira. A defesa é compacta e tem no entrosamento de muitas atuações em conjunto o ponto forte da equipe. É neste conjunto que Dunga aposta para sair da África do Sul com a faixa do hexacampeonato no peito.

A Alemanha está focada em busca do tetra. O time alemão lembra muito, com suas particularidades, a seleção italiana campeã mundial em 2006. O meio-campista Mesut Özil é o diferencial técnico da equipe. Promessa de grande jogador. A defesa é forte. Klose é jogador de área, artilheiro e ótimo cabeceador. O meio-campo é compacto e procura sempre diminuir espaços, dificultando as ações adversárias.

A Holanda é um time muito parecido com a Alemanha. Possui uma boa defesa. Porém, há certa dificuldade nas investidas pelas laterais do campo. Entretanto, a compactação defensiva da Laranja Mecânica, aliada ao talento de jogadores como Sneijder e Robben, que contam ainda com o oportunismo do atacante Van Persie, pode levar a equipe ao sonho do título mundial. Sonho este adiado desde a década de 1970.

A Argentina possui grande qualidade técnica, sendo o elenco que conta com o maior potencial ofensivo individual da Copa do Mundo. Jogadores como Higuaín, Tévez, Agüero e Di Maria são diferenciados. Messi é craque e possui o título de melhor jogador da atualidade.

Há ainda Verón que, mesmo veterano, é um meio-campista de rara qualidade. Para conquistar o título, deverá haver a consciência do comandante Maradona, que precisará optar por uma formação que contenha os ataques de times adversários de forma mais efetiva. Para isso, alguns “craques” deverão ser “sacrificados” da equipe principal.

Se a organização tática e coletiva ficar em segundo plano, com a técnica, pura e simplesmente solta em campo, sendo privilegiada, será mais um mundial de lamentações do torcedor argentino. Entretanto, se Maradona ajustar o setor defensivo de sua equipe, formando um time compacto, a Argentina poderá sonhar concretamente com o tricampeonato mundial.

Com base nas atuações da primeira fase, passo a considerar Inglaterra e Espanha como times que podem ser campeões, sem dúvida. Mas não são as principais favoritas. Inicialmente, com base em jogos das eliminatórias e partidas amistosas, considerava ingleses e espanhóis amplos favoritos ao título. Entretanto, o tempo passou e alguns pontos fracos e determinantes foram comprovados, tais como:

A Espanha é um time muito parecido com a Argentina. Há jogadores de grande potencial técnico no elenco, tais como Fàbregas, Villa, Fernando Torres, Iniesta e outros mais. Entretanto, Vicente Del Bosque precisará contar com atuações impecáveis de zagueiros medianos para poder ser campeão. Ajustando isso, com o toque de bola que os espanhóis apresentam e a efetividade de seus atacantes, é possível sonhar.

Em caráter de opinião pessoal, reconheço que considerar a Espanha como ampla favorita ao título, antes de o mundial iniciar, foi um equívoco que cometi. Pode ser campeã. Mas antes de ser considerada ampla favorita, precisa provar um pouco mais dentro do contexto mundial do futebol. A Copa do Mundo de 2010 é uma oportunidade gigante para isso acontecer.

A Inglaterra, do vitorioso treinador Fabio Capello, passou com dificuldades pela primeira fase. Falta criatividade ao setor ofensivo da equipe, que se resume ao oportunismo do diferenciado Rooney. A ligação com o ataque é feita pelos ótimos meias Gerrard e Lampard. Entretanto, nenhum deles é um típico “camisa 10”. Em resumo, falta no selecionado inglês um jogador ao melhor estilo Messi, Kaká, Özil ou Sneijder. Isso dificulta o andamento do setor ofensivo da equipe e sua produção de jogadas.

As oitavas de final da competição marcam os seguintes confrontos:

Uruguai x Coreia do Sul
Estados Unidos x Gana
Holanda x Eslováquia
Brasil x Chile
Argentina x México
Alemanha x Inglaterra
Paraguai x Japão
Espanha x Portugal

O blog “Futebol Arte & Garra” elaborou um palpite de resultados e gostaria de saber sua opinião:

Uruguai x Coreia do Sul – Uruguai será o classificado.
Estados Unidos x Gana – Gana obterá a vaga.
Holanda x Eslováquia – Holanda alcançará a classificação.
Brasil x Chile – Brasil confirmará o favoritismo.
Argentina x México – Argentina se classificará.
Alemanha x Inglaterra – Alemanha deve vencer.
Paraguai x Japão – Difícil. A vitória será paraguaia.
Espanha x Portugal – Espanha conseguirá a vaga.
Chute longo – O palpite de hoje é que as semifinais reunirão:

Uruguai x Brasil
Alemanha x Espanha

Até a fase semifinal chegar, muita coisa pode acontecer. Isto é futebol. Essas incertezas é que tornam este esporte apaixonante. Deixe seu recado e seu palpite. Sua opinião é muito relevante!

Uma grande saudação esportiva a todos os leitores!
 
 
* Luciano Bonfoco Patussi é Bacharel em Ciências Contábeis.

Blog Pessoal: www.futebolartegarra.blogspot.com
  PERFIL                            Tabela da Copa do Mundo                       + Artigos
Pesquisa personalizada
Arquivo Campeões do Futebol - www.campeoesdofutebol.com.br - Desenvolvido e mantido por Sidney Barbosa da Silva - Desde 2005