Como funciona as eleições para a CBF

O Brasil é o único país no mundo no sentido de ser representado por uma confederação em vez de uma federação. Isso se deve à divisão por estados que o esporte originou.

Cada estado possui uma federação, que vota para eleger o presidente da CBF. O sistema distorce o poder, pois o voto de todos os estados têm o mesmo peso, ainda que, por exemplo, São Paulo seja cem vezes mais populosos do que Roraima.

A classificação para a Libertadores

Desde sua criação, em 1971, o até o ano de 1989, o campeão e o vice classificavam-se para a disputa da Copa Libertadores. A partir de 1990 até 1998, só o campeão conquistou este direito. Entre 1999 e 2002, o campeão, o vice, e os melhores colocados de outras competições nacionais.

Depois da criação, em 2003, do sistema de pontos corridos, vão para a Libertadores os quatro primeiros colocados além dos melhores colocados de outras competições, como a Copa do Brasil.

A classificação para a Copa Sulamericana

Criada em 2002, nenhum clube brasileiro participou desta edição do torneio. Só a partir de 2003 é que estrearam na competição. ganhavam o direito de participar o campeão brasileiro, mais os oito melhores classificados no brasileirão e mais três pelo ranking da Conmebol.

Em 2004, ganhavam direito o campeão brasileiro, dois clubes de melhor ranking na Conmebol e mais cinco clubes melhores classificados no brasileirão.

Em 2006 e 2007, ganhava direito o campeão e os classificados entre o 6° e o 12° colocado no brasileirão, desde que não participasse da Libertadores via Copa do Brasil.

Em 2008, os classificados entre o 5° e o 12° lugar no Brasileirão.

Desde 2013, é adotado um novo sistema, um critério polêmico por "presentear" os clubes de elite eliminados precocemente na Copa do Brasil, ou seja: o sistema consiste em ceder as seis vagas no torneio continental aos clubes melhores colocados na Série A do ano anterior que não estiverem nas oitavas de final da Copa do Brasil. Sendo assim, um clube bem colocado no último Brasileirão pode "escolher", na quarta fase da Copa do Brasil, se avança no torneio nacional ou passa a disputar a Sul-Americana.

A medida dá carta branca aos clubes que quiserem adotar tal estratégia, abrindo espaço para usarem times enfraquecidos nas primeiras fases para ter lugar em uma competição internacional. Por outro lado, permite até aos clubes da Série B o sonho de jogar a Sul-Americana. Se as seis vagas não forem preenchidas por clubes da elite de 2014, quem aparece atrás na ‘fila’ são os quatro primeiros colocados da Segunda Divisão do mesmo ano.

Além das seis vagas do brasileirão, ganha o direito de participar, o campeão da Copa do Nordeste, e o campeão da Copa Verde.


O Sistema de pontos corridos

Durante anos, até 2002, por exemplo, a CBF nunca foi capaz de realizar um campeonato nacional decente. Isto só mudou com a criação, no ano seguinte, do campeonato brasileiro por pontos corridos, após a aprovação do "Código do Torcedor" (em 2003) pelo Congresso Nacional, a Confederação Brasileira de Futebol passou a planejar e organizar o calendário de competições. Os torneios estaduais tiveram seus tempos reduzidos e o Brasileirão passou a ser disputado no sistema de turno e returno.

Este era um sistema inovador para as equipes brasileiras, mais acostumadas a torneios de mata-mata. Por isso, a primeira impressão deixada pelo torneio não foi das melhores. O fato de o campeão (Cruzeiro) ter sido decidido com quatro rodadas de antecedência contribuiu ainda mais para isso.

Página anterior  ANTERIOR (PARTE 1)   PRÓXIMO (1987 (1) PARTE 3)  Próxima página

Pesquisas realizadas por Sidney Barbosa da Silva
Fontes: www.cbf.com.br; e Arquivo www.campeoesdofutebol.com.br.
Página adicionada em 02/Maio/2009 - atualizada em 07/Dezembro/2015.

 

Livros Digitais Campeões do Futebol

Ir ao Topo