Arquivo
  Especiais
  + Futebol
  PERFIL                                                                                         + Artigos
A Bola e a Escola

 
Publicado em 13 de março de 2011            Por Faustino Vicente *
 
Somos, como a maioria dos brasileiros, admiradores do esporte mais popular do mundo, esse incrível futebol. Nossa opinião sobre ele é a seguinte: paixão para torcedores, profissão para jogadores, projeção para diretores e mercadão para investidores.

A Copa do Mundo, chamada de o “Everest”do futebol, cuja 20ª edição vai ser disputada no Brasil em 2014 será, também, cabo eleitoral para parte da classe política.

Apesar dos conhecidos retornos, que os investimentos públicos e privados deverão trazer, esperamos que os impostos que pagamos, e se transformam na elevadíssima carga tributária brasileira, - uma das maiores do mundo - sejam aplicados em obrigações e responsabilidades específicas dos Órgãos Públicos. A qualidade dos serviços públicos, exceto as “ilhas” de excelência, ainda deixa muito, mas muito a desejar.

Esse é um dos motivos que leva “a voz rouca das ruas”, à questionar a realização desse evento em nosso país.
 
Sendo o futebol um segmento empresarial, os investimentos públicos que deverão ser feitos, poderiam ocorrer independentemente do patrocínio da Copa, como fizeram outros países. Sendo o 88º país do mundo em educação, tendo apenas 51% de saneamento básico, 33 milhões de analfabetos funcionais, 6º pais em homicídios entre jovens, milhões de moradores em áreas de risco, com elevadas taxas de juros e infraestrutura deficiente, evidentemente, o que falta é qualidade de vida.

A educação, singular fator de inclusão social, é o caminho para melhorarmos a nossa, desconfortável, 73ª colocação no ranking internacional do IDH – Índice de Desenvolvimento Humano.

Torcendo para que os benefícios pós Copa se concretizem, sugerimos que o Governo desenvolva projetos PPPs – Parcerias público-privada - , permitindo que os estádios (arenas multiuso) sejam palcos para eventos populares e exposições artísticas, motivando o brasileiro para atividades culturais.

A consagração da nossa economia, como a 7ª maior do mundo (PIB de R$3,675 trilhões), evidencia que o Brasil não é um país pobre, é um país injusto socialmente e desigual financeiramente.
 
* Faustino Vicente – Professor, Advogado e Consultor de Empresas e de Órgãos Públicos.

Email: faustino.vicente@uol.com.br
  PERFIL                                                                                         + Artigos
Pesquisa personalizada
Arquivo Campeões do Futebol - www.campeoesdofutebol.com.br - Desenvolvido e mantido por Sidney Barbosa da Silva - Desde 2005