Tricolor CariocaO FLUMINENSE FOOTBALL E YACHT CLUB



História do Fluminense     + Especiais    + Fut-Carioca    + Clubes

       

por Laércio Becker, de Curitiba-PR, Email: laerciobecker@hotmail.com

O atual Iate Clube do Rio de Janeiro, da Av. Pasteur, 333, em Botafogo, foi fundado com o nome de Fluminense Yacht Club (FYC), em 25 de março de 1920, na sede do Fluminense Foot-ball Club (FFC), na Rua Álvaro Chaves, por 28 sócios deste clube que, liderados por Arnaldo Guinle, queriam uma entidade para práticas náuticas.

Por que fundaram novo clube em vez de o Fluminense estender suas modalidades esportivas? A explicação está em carta de 02.04.1943, assinada por Arnaldo Guinle, então Comodoro (presidente) do FYC, na qual conta que:

“De acordo com a ata de fundação do Fluminense Yacht Club (...), o Fluminense Foot-ball Club, ao fundar o Fluminense Yacht Club, o fez com a intenção de criar um departamento de esporte no mar e se desde logo não o integrou em sua organização de esporte terrestre, foi devido unicamente ao fato de que necessitando ainda de grandes somas para executar o seu programa de construção e aparelhamento esportivo, julgava impossível atingir esse objetivo procurando fundos também para uma larga organização dos esportes do mar. Achei, portanto, de melhor alvitre conservar este departamento independente dirigido por aficcionados desse esporte que mais facilmente levantariam as somas indispensáveis à execução do seu programa construtivo.”

O FFC tinha uma concessão do Ministério da Guerra para instalar uma seção náutica na área da “Bateria do Morro da Viúva”. Em vez de utilizá-la, pelos motivos acima, acabou cedendo-a ao FYC, mas sob as seguintes condições: os sócios do FFC teriam isenção de jóias de entrada, o FYC adotaria as mesmas cores do FFC e os dois clubes teriam que fazer a fusão, quando o FFC julgasse conveniente.

Com a perda da área do Morro da Viúva, a partir de 1926 o FYC obteve diretamente do governo (e não por meio do FFC) as cartas de aforamento de um novo terreno, na então Praia da Saudade, que depois foi aterrada e onde se localiza sua atual sede.

Em 1943, com a já citada carta, enviada aos sócios do FYC, Arnaldo Guinle procura executar a projetada fusão. Com a fusão, seria mantido o nome Fluminense e alterada apenas a designação (Foot-ball Club e Yacht Club), que ainda seria objeto de deliberação.

Arnaldo Guinle
Arnaldo Guinle


Iate Clube do Rio de Janeiro
Escudo do Iate Clube em 2012
 
Ocorre que o FYC já não dependia do FFC para a concessão de cartas de aforamento, já que lhe foram concedidas diretamente. Além disso, os novos sócios do FYC não tinham vínculo com o FFC, sentiam-se responsáveis pelas benfeitorias implementadas no novo clube e temiam a superlotação de sua sede pelos sócios do FFC.

Diante das grandes resistências do quadro social do FYC, o FFC liberou o FYC do compromisso de fusão. A título de compensação “moral”, o FFC solicitou por ofício – e o FYC aprovou por unanimidade, em 25.06.1943 – “a garantia de que, se, porventura, os sócios do Fluminense Yacht Club vierem a modificar a sua atual orientação de princípio, não realizarão fusão alguma com outra sociedade de finalidade esportiva especializada diferente da do Fluminense Yacht Club, a não ser com o Fluminense Foot-ball Club”.

No mesmo ofício, o FFC também liberou o FYC para, querendo, mudar seu nome e/ou suas cores, que “o Fluminense Foot-ball Club não considerará ato de descortesia ou de deselegância para com ele, qualquer medida nesse sentido”.

Em 23.07.1943, o FYC mudou de nome para o atual – Iate Clube do Rio de Janeiro. Magoado com tudo isso, em 27.09.1943, Arnaldo Guinle renunciou à Comodoria (presidência) e, em dezembro de 1943, reassumiu a presidência do seu querido Fluminense Foot-ball Club.

Patrono do FFC desde 17.07.1920, Patrono do FYC desde 24.09.1929, Presidente do FFC de 1916 a 1931 e de 1943 a 1946, Presidente do FYC da fundação até 1943, Arnaldo Guinle morreu em 1963, sem testemunhar a tão sonhada fusão que, na opinião de Paulo Coelho Netto, resultaria na “maior organização esportiva do mundo” da época.


Pesquisas de Laércio Becker - Fontes: BARROSO, Helio. Na Praia da Saudade: a história do Iate Clube do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005. COELHO NETTO, Paulo. História do Fluminense: 1902-2002. 2ª ed. Rio de Janeiro: Pluri, 2002.
Página adicionada em 17 de julho de 2010.

 

 

 

Pesquisa personalizada

 

Livros Digitais Campeões do Futebol

Ir ao Topo