História do America FC (RJ) de 1921 a 1950


America   America Football Club
   Fundado em 18 de setembro de 1904
   Cidade: Rio de Janeiro/RJ


História 1904-1920 1921-1950 1951-1980 1981-2015 Titulos Hino Copa dos Campeões Arquivo                                                                                   + Clubes

      

1921
No ano em que o América foi considerado pelo Congresso Nacional Entidade de Utilidade Pública, Wenceslau Braz, Presidente da República, recebeu o título de sócio honorário. Estréia de Manteiga, o primeiro atleta negro. Os descontentes debandaram para o Fluminense.

Morreu Dr. Satamni, proprietário do terreno de Campos Sales, deixando a todos os seus sobrinhos o terreno ocupado pelo clube. Herança de muitos, seria difícil um acordo para a renovação do contrato vigente, que poderia ser restringido mediante o pagamento de multa de 30 contos de réis. Os herdeiros resolveram fazer leilão público da área avaliada em 300 contos de réis. Não havia tempo para apelar aos sócios, pois o leilão já estava anunciado em praça e já estavam apostos arrematantes certos. Entrou em cena o Visconde de Morais, emprestando a quantia para adquirir o terreno que seria a ele hipotecado e, a hipoteca, seria resgatada no prazo de cinco anos.

Edgar Roquette Pinto nos estúdios da Rádio Sociedade do Rio de Janeiro1924
A Associação Metropolitana de Esportes Atléticos (AMEA) é fundada por América, Bangu, Botafogo, Flamengo e Fluminense. Roquete Pinto (foto ao lado), Diretor da Rádio Sociedade, instalou no campo do clube um aparelho de radiotelefonia para transmissão de jogos. Ainda em Campos Sales foram inauguradas as arquibancadas em cimento armado. Antes do América somente o Fluminense oferecia tal conforto entre os clubes cariocas.

1925
Morre Raul Reis, pesidente do clube.

1928
Foi um ano de inaugurações; o América foi inaugurar o estádio do América-MG, vencendo-o por 5x1. Depois inaugurou o estádio do São Cristóvão e, ainda inauguraria o estádio do Parque São Jorge, do Corinthians Paulista,empatando em 2x2. Neste mesmo ano é criada a Revista do América.

1929
Além de ser o primeiro clube carioca a excursionar ao exterior, com várias partidas realizadas na Argentina, o América aplica uma vitória avassaladora sobre o Botafogo: 11x2. O fato curioso que envolve esta antológica vitória é que o Botafogo não aspirava ao título e, mesmo assim, apelou à federação para invalidar a partida.

1930
Joel e Hermógenes foram os representantes do América na Seleção Brasileira que disputaria a primeira Copa do Mundo de Futebol, realizada no Uruguai.

1932
América inaugurou o estádio do Coritiba, batizado em homenagem a Belfort Duarte.

1933
América, Bangu, Flamengo, Fluminense e Vasco fundaram a Liga Carioca de Futebol, e assinaram pacto com os clubes paulistas para implantação do profissionalismo no estado vizinho. América e Vasco realizaram o primeiro jogo entre profissionais, com vitória cruzmaltina por 2x1. O primeiro time profissional do América era composto por Aimoré, Vital, Jarbas, Oscarino, Zezé, Chagas, Carola, Manoelzinho, Curto, Dentinho, Baby, Darcy e Juquiá. Neste mesmo ano o América enfrentou a Portuguesa-SP no primeiro jogo do Torneio Rio-São Paulo. O clube ainda faria seguro contra contusões para seus jogadores.

1934
Importação de jogadores argentinos De la Torrea, Arresi, Rivarola, Fassora, De Saa e Dedovits - uma ação inédita e ousada para a época. Ano em que o América foi considerado Entidade de Utilidade Pública Municipal.

Com a emissão de 100 títulos de sócios-proprietários e a efetiva colaboração de Pedro Magalhães Correia (300 contos de réis), Joaquim Nepomuceno Moura (200 contos de réis) e Ferreira Souto (300 contos de réis), América liquidou hipoteca do Campos Sales.

1935
Em função da confusa situação do esporte brasileiro, que estava dividido entre duas correntes inconciliáveis, o presidente do América propôs a extinção da seção de futebol, continuação da luta em favor dos co-irmãos da LCF e a busca de uma fórmula para a pacificação geral dos esportes. Fernando Ojeda, contrário à dissolução da seção de futebol intercede, sugeriu a dispensa os jogadores argentinos e a formação de uma equipe barata. Ojeda estava certo: o América tornou-se campeão novamente.

1937
Agnesini Giacomo colocou em seu carro a bandeira do América durante prova automobilística chamada Subida da Montanha. América e Vasco da Gama assinaram termo que põe fim à cisão que perdurava no futebol nacional desde 1933. A seguir, foi fundada a Liga de Futebol do Rio de Janeiro. América, Bangu, Bonsucesso, Botafogo, Flamengo, Fluminense, Madureira, São Cristóvão e Vasco da Gama foram os fundadores. Andaraí, Olaria e Portuguesa ficaram como agregados. A partir de então os jogos entre América e Vasco passaram a ser chamados "Clássicos da Paz". Na primeira partida América 2x3 Vasco. No jogo seguinte América 3x1 Vasco.

1938
O presidente do Vasco recebeu o título de sócio honorário do América, ainda em referência à pacificação dos esportes, ocorrida no ano anterior. Brito, Plácido e Tadeu foram os convocados do América na Seleção Brasileira para a Copa do Mundo. O emblema do América foi registrado no Departamento de Propriedade Intelectual. Com a vitória por 2x0 sobre o Vasco da Gama, o América conquistou em definitivo o troféu "Clássico da Paz". O Vasco solicitou por empréstimo o troféu, mas nunca devolveu.

1940
Inauguração do Departamento Médico do clube. Na inauguração dos refletores do Estádio do Pacaembu, na capital paulista, o América venceu por 6x5 o São Paulo. A Rádio Guanabara passou a reservar diariamente em sua transmissão 15 minutos de notícias para o América.

1942
Neste ano foi levantada a idéia de dissolução do futebol do América, por causa da crise financeira do clube. Os jogadores do América, representados pelo capitão Carola, então abriram mãos das luvas a que tinham direito, mas não dispensaram "a honra de envergar a camisa rubra", segundo as palavras do próprio.

1943
O Conselho Deliberativo do clube reformou os estatutos; autorizou o estabelecimento de condomínio e cessão de parte do terreno; aprovou mandato por 4 anos para a diretoria; autorizou o presidente do clube a assumir compromisso para estabelecimento de contrato para construção de instalações sociais, administrativas e desportivas; autorizou a criação da Sociedade Imobiliária América Ltda.; estipulou que esta nova empresa emcamparia as dívidas do clube e autorizou a conversão das quotas hipotecárias em títulos preferenciais da Sociedade. América apresentou ao Presidente da República memorial pleiteando empréstimo.

1944
O Presidente da República autorizou empréstimo da Caixa Econômica ao América. No jogo América 3x0 São Cristóvão. Osni, goleiro do América marcou gol de pênalti. Criação das Torcidas Organizadas ou Falanges Rubras.

1945
O Conselho Nacional dos Esportes criou o Prêmio Belfort Duarte, destinado aos atletas mais disciplinados.

1946
A situação financeira do América sofreu melhora. Todas as dívidas, exceto a hipotecária, foram quitadas. Carola "pendurou as chuteiras", mas passou a cooperar na administração do clube.

1947
No estádio do América, 32 pequenos clubes realizam o Torneio Belfort Duarte. O campeão invicto foi o Atília Futebol Clube, que possuía a cor, o escudo e as iniciais do América. O clube criou o sistema de cadeiras cativas, mais tarde adotado no Estádio Mario Filho (Maracanã). Rafael Galvão ganhou Medalha de Ouro no Congresso Internacional de Arquitetura de Lima, no Peru, com o projeto do Estádio do América. O cartunista Lorenzo Molas criou, a pedido do Jornal dos Sports, a figura representativa do América: o diabo. Veja história da Mascote na lateral.

1948
América inaugurou estádio Mario Alves Mendonça do América de São José do Rio Preto e empatou em 1x1. No Campeonato Carioca, árbitros ingleses foram chamados para apitar as partidas e os jogadores passaram a usar números nas costas.

1949
Começaram as obras em Campos Sales.

1950
Arrecadação recorde nas partidas do América, já que o Estádio do Maracanã tinha acabado de ser inaugurado, apesar de no mesmo ano, o Brasil ter perdido a final da Copa do Mundo. O primeiro jogo do clube no Maracanã terminou em vitória por 4x2 contra o Botafogo.

Brasinha, O Mascote
Diabinho "O caricaturista Molas, um argentino que, durante certo tempo, militou na imprensa carioca, quem popularizou o diabo como figura representativa do América. A princípio, sua aceitação foi total. Depois atribuíram-lhe induções desfavoráveis e passou a ser combatido por muitos, como a principal causa de faltar sempre a ajuda da sorte. Os "diabos rubros" não têm o toque do mal ou do pecado. Cometem apenas "diabruras esportivas". A fé religiosa dos americanos nada tem a ver com isso. Ela está expressa na esperança que depositamos em nossos padroeiros, Nossa Senhora das Graças e São Jorge, aos quais reverenciamos com a mais piedosa e cristã devoção."

Trecho do livro Campos Sales, 118 (de Orlando Cunha e Fernando Vale)




Pesquisas realizadas por Sidney Barbosa da Silva e Rafael de Paula da Silva
Fonte: Arquivo www.campeoesdofutebol.com.br; www.america-rj.com.br, de 09/Outubro/2004.
Página adicionada em 23/Janeiro/2013.


Pesquisa personalizada






Ir ao Topo