HISTÓRIA DO PALMEIRAS (1951-2015)


PalmeirasSOCIEDADE ESPORTIVA PALMEIRAS
Fundado em 26 de Agosto de 1914
Sede Social: Rua Turiassú, 1840
Água Branca - São Paulo/SP
Estádio Allianz Parque
Site: www.palmeiras.com.br



História 1914-1950 História 1951-2015 Titulos Hino Estádios Confrontos Todos os Jogos Maiores Públicos Foto Galeria Arquivo Verde     + Clubes

       

Campeão do Mundo, do Brasil e Super Campeão
Dando seqüência às conquistas, a terceira coroa é a Taça Cidade de São Paulo de 1951, novamente em uma final contra o São Paulo. Vitória esmeraldina por 3 a 2.

A quarta coroa foi o Torneio Rio - São Paulo. O Palmeiras venceu duas vezes o Corinthians na final. No primeiro jogo, vitória por 3 a 2. Na finalíssima, o Verdão bate o rival por 3 a 1.

Para fechar com chave de ouro, a quinta coroa foi o primeiro Campeonato Mundial de Clubes, disputado em 1951, com jogos no Pacaembu e no Maracanã.

Para recuperar a auto-estima do povo brasileiro, que havia perdido em casa a Copa do mundo de 50, a CBD (atual CBF), com o apoio da FIFA, organizou o 1º Torneio Mundial de Clubes Campeões, para ser disputado a partir de 30 de Junho, com as sedes em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Em São Paulo, ficaram Palmeiras (campeão paulista), Estrela Vermelha (campeão iugoslavo), Olimpic de Nice (campeão francês) e a Juventus de Turim (vice-campeã italiana).

No Rio ficaram, Vasco da Gama (campeão carioca), Nacional (campeão uruguaio), Sporting (campeão português) e Áustria Viena (campeão austríaco).

Em São Paulo se classificaram para a fase semifinal, Juventus e Palmeiras, e no Rio os classificados foram Vasco da Gama e Áustria Viena.

Nas semifinais, o Vasco enfrentou o Palmeiras e a Juventus, o Áustria. No dia 11, o Palmeiras venceu o Vasco por 2 a 1, gols de Richard e Liminha para os paulistas e Maneca para os cariocas. No outro jogo, a Juventus empatou com o Áustria em 3 a 3. No dia 14, a Juventus venceu o Áustria por 3 a 1 e se classificou para as finais. A seguir, Palmeiras e Vasco empataram em 0 a 0, resultado que classificou o clube paulista.

O primeiro jogo da decisão aconteceu no dia 18, no Maracanã. O Palmeiras venceu a Juventus da Itália por 1 a 0, gol de Rodrigues. O segundo jogo também foi disputado no Maracanã, para um público de mais de 100 mil pessoas.

Daquele dia muita coisa foi relembrada pelos torcedores. Mas, a data era diferente. Ao invés de 16 de julho de 1950, 22 de julho de 1951. O local era o mesmo. A torcida experimentando duas emoções diferentes. Do amargo revés à alegria de um título consagrador. Um empate que deu ao Brasil o título de Campeão Mundial Interclubes.

Foi um jogo difícil e o resultado de 2 a 2, com Richard e Liminha marcando para os brasileiros, e Boniperti e Praest para os italianos. Terminada a partida o público delirou gritando o nome do Brasil; os jogadores do Palmeiras tinham a bandeira brasileira bordada nas camisas alviverdes.

Para se ter uma idéia da importância desse título, a equipe do Palmeiras desfilou em carro aberto pelas cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo. Em São Paulo, a equipe foi recebida, na Estação Roosevelt de trem, por milhares de pessoas.

Campeão Mundial ou vencedor da Copa Rio?
Oficialmente reconhecido pela FIFA como o primeiro campeão Mundial de Clubes, com a conquista do Torneio Internacional de Campeões - Copa Rio, de 1951, depois de um dossiê enviado à entidade máxima do futebol no ano de 2001 comprovando o "endosso" da mesma. Em 15 de dezembro de 2007 a FIFA retirou o reconhecimento. Confira a noticia, e veja tudo sobre a Copa Rio.

Em novembro de 2014, o Ministro do Esporte Aldo Rebelo recebeu uma carta de confirmação de que o Palmeiras é o 1° campeão mundial. No encerramento da carta, Valcke afirma que “além de garantir uma excelente organização do evento, o Brasil também pôde, orgulhosamente, ver o clube brasileiro Palmeiras vencer a final do campeonato contra o Juventus”.

Em 1959, o Palmeiras volta a ser campeão paulista ao vencer o Santos de Pelé na decisão do título. Como ambos os clubes terminaram o campeonato empatados na primeira colocação, foram realizadas três partidas para definir o super-campeão, termo que se usava quando jogos extras decidiam o título. Depois de dois empates, o Palmeiras venceu, de virada por 2 a 1, com gols de Julinho e Romeiro. Pelé marcou o gol santista.

A Primeira Academia
Começa a década de 60 e Ademir da Guia torna-se titular do Palmeiras e, acima disso, imprime sua marca registrada de altíssima categoria na forma de jogar do time, fazendo a imprensa comparar o time a uma Academia. Este apelido acompanha o clube há mais de 40 anos.

Em 1960, o Palmeiras conquista seu primeiro título nacional, a Taça Brasil (o Campeonato Nacional da época), ao golear o Fortaleza por 8 a 2, no Pacaembú. Em 1963, o Palmeiras é novamente campeão paulista.

Ainda em 1963, o Palmeiras sagra-se campeão do Torneio de Firenze, na Itália. O ano de 1965 é histórico para o Palmeiras. No dia 7 de Setembro, no estádio do Mineirão, em Belo Horizonte, o time inteiro do Palmeiras, inclusive reservas e comissão técnica, é o convocado para representar o Brasil diante da tradicional Seleção do Uruguai, e vence por 3 a 0, com gols de Julinho Botelho, Rinaldo e Tupãzinho.

O Palmeiras conquista também em 1965, o Torneio Rio - São Paulo, ficando de posse da "Taça Roberto Gomes Pedroza". Em 1966, o Palmeiras conquista novamente o Campeonato Paulista.

O ano de 1967 é um dos melhores da década para o Palmeiras. O Verdão ganha pela segunda vez a Taça Brasil , ao vencer o Náutico na final por 2 a 0, em partida realizada no Estádio do Maracanã. Conquista também o recém-criado Torneio Roberto Gomes Pedrosa, fase nacional (Campeonato Brasileiro), que também ficou conhecido como Robertão.

Em 1969, o Palmeiras conquista mais um Torneio Roberto Gomes Pedrosa (Robertão) e o tradicional Troféu Ramón de Carranza, na Espanha.

A Segunda Academia
Começa a década de 70 e o Palmeiras, comandado por Leão, Luís Pereira, Dudu, Ademir da Guia, Leivinha e o técnico Oswaldo Brandão, monta a equipe que dominaria o cenário nacional nos anos 70.

No ano de 1972, o Palmeiras conquista todos os títulos que disputa. De maneira invicta, conquista o Campeonato Paulista. Na seqüência vem a conquista da Taça Cidade de Zaragoza, na Espanha. Logo depois, o Torneio de Mar Del Plata, contra Peñarol, Boca Juniors e San Lorenzo. Este título foi conquistado com vitórias históricas, como os 5 a 1 no Peñarol, do Uruguai.

O "Torneio Laudo Natel" foi conquistado contra a Portuguesa de Desportos. Para fechar este grande ano, o Palmeiras, em dezembro, mais uma vez faz a festa no Morumbi, ao conquistar o Campeonato Brasileiro contra o Botafogo-RJ.

No ano seguinte, 1973, vem o Bi-Campeonato Brasileiro, vencendo o São Paulo na final, em partida realizada no Morumbi.

Em 1974, o Verdão conquista um dos títulos mais comemorados de sua história; final diante do Corinthians, que estava há 20 anos sem ganhar qualquer título. Com o Morumbi lotado por 120 mil pessoal, o Palmeiras vence por 1 a 0, gol do centroavante Ronaldo, fazendo os palmeirenses entoarem o canto; "zum-zum é vinte um, zum-zum é vinte um".

Em 1976, o Palmeiras conquista mais um Campeonato Paulista, o último da geração Ademir da Guia, que foi considerado o melhor jogador da história do clube, apelidado de o "Divino" (Ademir encerrou sua vitoriosa carreira em 1977, depois de 16 anos de glórias). Este título contou com Dudu comandando a equipe como técnico. A partida final é até os dias atuais a recordista de público na história do Estádio Palestra Itália, mais de 40 mil pessoas assistiram a vitória esmeraldina por 1 a 0, diante do XV de Piracicaba.

O Jejum de Títulos
Durante os anos 80, o clube não conquistou títulos expressivos, porém obteve algumas vitórias antológicas, como as goleadas contra o Corinthians por 5 a 1 e por 3 a 0, no Campeonato Paulista de 1986.

A Era Parmalat
No começo da década de 90, o Palmeiras, mostrando visão de negócios e ousadia administrativa, assina um contrato de co-gestão com a multinacional Italiana Parmalat e anuncia a contratação de vários craques, entre eles o meia Zinho, os atacantes Edílson e Edmundo, o lateral esquerdo Roberto Carlos e o zagueiro Antonio Carlos. Com estes jogadores, e com o técnico Wanderlei Luxemburgo, o Palmeiras monta um dos times mais fortes da história do futebol mundial.

Em 1993, o clube chega à decisão do Campeonato Paulista contra o Coritnhians. O rival do Parque São Jorge tenta se vingar da final de 1974 (quando o Palmeiras o manteve na fila) e quer manter o clube do Palestra Itália mais um ano sem conquistas.

O Corinthians vence a primeira partida por 1 a 0, e o centroavante Viola provoca os palmeirenses ao imitar um porco, na comemoração do gol. No segundo jogo, cheio de brios e garra, o Palmeiras dá uma aula de futebol no Morumbi e massacra o rival por 4 a 0, quebrando assim os 16 anos sem títulos.

Ainda em 1993, o Palmeiras é campeão do Torneio Rio - São Paulo ao bater o Corinthians na decisão, com um show de Edmundo na primeira partida, vitória por 2x0, com o empate do segundo jogo por 0x0. Para fechar este glorioso ano, o Palmeiras conquista a Tríplice Coroa, ao vencer o Campeonato Brasileiro.

Em 1994, o clube conquista, de maneira antecipada, o bicampeonato Paulista. No final do ano, em mais uma final diante do Corinthians, o clube conquista mais uma vez o Campeonato Brasileiro.

Em 1996, com uma equipe renovada por jogadores como Cafú, Djalminha, Luizão e Muller, e mais uma vez com Wanderlei Luxemburgo no comando técnico, o Palmeiras vence o campeonato paulista, o vigésimo primeiro de sua história. A conquista deste Campeonato Paulista foi toda especial, pois o time marcou 102 gols na competição e caracterizou-a como a melhor campanha da história do futebol profissional de São Paulo.

Para 1997, o Palmeiras renovou mais uma vez a equipe. Contratou o técnico Luis Felipe Scolari, o Felipão. Com ele chegaram o meia Alex, o atacante Oséas, além do retorno do meia Zinho. Com esta base, mais os reforços do atacante Paulo Nunes e do lateral direito Arce, o Palmeiras conquista, em 1998, a Copa do Brasil, vencendo o Cruzeiro na final por 2 a 0, com o segundo gol, de Oséas, sendo anotado no último minuto da partida.

No segundo semestre de 1998, o Palmeiras conquista a Copa Mercosul, ao bater os mineiros do Cruzeiro na final. Desta vez por 1 a 0, gol de Arce.

O ano de 1999 foi mágico para o Palmeiras. O clube reforça a equipe com antigos ídolos como César Sampaio e Evair, que somados a forte base do ano anterior e incendiado pela vibração do super-técnico Luis Felipe Scolari, conquista de maneira histórica a Copa Libertadores da América, velho sonho palmeirense, com uma seqüência de vitórias contra Vasco da Gama, Corinthians, River Plate e, na final, contra Deportivo Cali, da Colômbia.

O Novo Milênio
Em 2000, o Palmeiras conquista o quinto Torneio Rio - São Paulo de sua história, ao vencer o Vasco da Gama na final por 4 a 0, com o Morumbi lotado. Ainda em 2000, mais uma vez o Palmeiras conquista uma competição nacional; a Copa dos Campeões, vencida no Nordeste, contra o Sport Recife.

Por toda esta rica história, de vitórias e superações, o Palmeiras foi eleito, de maneira merecida, por todos os rankings, (Folha de São Paulo, Estado de São Paulo, O Globo e Diário Lance) como o "Campeão do Século XX do Futebol Brasileiro".

Rebaixamentos
Após o fim da parceria com a Parmalat, o Palmeiras e sua torcida sofreu com dois rebaixamentos no campeonato brasileiro da Série A: em 2002 e 2012.

Os primeiros
1° jogo e gol do Palestra Itália: Palestra 2 x 0 Savóia, 24/01/1915, Bianco fez o 1° gol.
1° gol do Palestra no Camp. Paulista: Radamés Gobbato, em 13/05/1916, Palestra 1x1 Mackenzie
1° gol do Palmeiras no Camp. Brasileiro: César Maluco, em 07/08/1971, Palmeiras 1x0 Portuguesa-SP
1° gol Palmeiras na Copa do Brasil: Tonhão, em 14/07/1992, Palmeiras 1x0 Sampaio Correa-MA
1° gol do Palmeiras na Copa Libertadores: Gildo, em 04/05/1961, Palmeiras 2x0 Independiente-ARG
1° gol do Palestra Itália em partidas internacionais: Imparato II, em 26/10/1922, Palestra Itália 4x1 Seleção do Paraguai na disputa da Taça Guarani
1° gol de um jogador palestrino-palmeirense por uma seleção nacional: Heitor, Seleção Brasileira, no amistoso contra o Barracas (ARG), em 13/05/1917.
1° jogo como Palmeiras: Palmeiras 3x1 São Paulo F.C., em 20/09/1942 (jogo em que o Palmeiras foi campeão paulista de 1942)
1° gol como S.E. Palmeiras: Cláudio, em 20/09/1942, Palmeiras 3x1 São Paulo F.C.

Maiores Goleadas
Em jogos oficiais: Palestra Itália 11x0 S.C. Internacional da Capital, em 08/08/1920, Camp. Paulista.
Maior goleada: Palmeiras 15 x 0 Seleção do Vale D'Aosta-ITA, em 15/07/1999, Taça Valle D'Aosta
» Sobre o Corinthians: Palestra Itália 8x0 Corinthians, em 15/11/1933
» Sobre o Santos: Palestra Itália 8x0 Santos, em 11/12/1932

Recorde de jogadores
» Marcou mais gols numa só partida: Heitor, 6 gols, em 08/08/1920, Palestra 11x0 S.C. Internacional ou Heitor, 6 gols, em 17/07/1927, Palestra Itália 11x2 Corinthians de São Bernardo do Campo
» Mais novo a vestir a camisa do Palestra-Palmeiras: Cláudio, em 21/08/2005 - 16 anos e 37 dias
» Mais velho a vestir a camisa do clube: Ademir da Guia, em 22/01/1984 - 42 anos (Palmeiras 1 x 2 Amigos do Ademir - jogo despedida)
» Jogador palestrino-palmeirense que mais vezes atuou pela Seleção Brasileira: Emerson Leão (goleiro), 69 partidas e 32 gols sofridos.

Sobre a Taça Rio 1951 (Competição de Nível Mundial)

Matéria de 1951 Matéria de 1951 A Taça Rio de 1951

Pesquisas realizadas por Sidney Barbosa da Silva
Fonte: www.palmeiras.com.br e Arquivo www.campeoesdofutebol.com.br
Página adicionada em 17/Fevereiro/2014 - atualizada em 22/Fevereiro/2015.

 

Pesquisa personalizada

Shopping Campeões do Futebol

Ir ao Topo