História do Sport            + Poesia e Futebol      

       

UMA HOMENAGEM DE UM POETA PARAIBANO DE CAMPINA GRANDE RADICADO EM NATAL/RN, AO GRANDE PARAIBANO ARIANO SUASSUNA. ALEM DE TUDO TORCEDOR APAIXONADO DO ESPORTE CLUBE DO RECIFE.

HOMENAGEM A ARIANO SUASSUNA

“ -SÓ SEI QUE FOI ASSIM ”! ...

O meu nordeste hoje chora de saudade.
Nesse vinte e três de julho, ARIANO morreu.
Com festa no céu a Compadecida o recebeu
Ariano Suassuna, um nordestino de verdade.
Foi o maior defensor da nossa arte popular.
Eu não sei como foi. Eu só sei que foi assim.
Uma grande saudade se apoderou de mim.
Com estes versos quero, hoje, homenagear.

Eu vou contar para todos a sua biografia.
A sua história, suas peças, como ele viveu.
Feliz o brasileiro que a sua obra conheceu.
A sua religiosidade, sua verdade e alegria.
O Dezesseis de Junho foi o seu grande dia.
E Mil Novecentos e Vinte e Sete foi o ano.
Que na capital da Paraíba nasceu ARIANO.
Enchendo o Palácio da Redenção de alegria.

Filho do casal João Suassuna e Cássia Vilar.
O seu pai, a província da Paraíba, governou.
Ao deixar o governo sua família se mudou.
Lá no sertão, a Fazenda Acauã, foi o seu lar.
O assassinato do seu pai no Rio de Janeiro.
Por motivos políticos, fez a família se mudar.
Na cidade de Taperoá sua família foi morar.
Foi lá que você encontrou o Brasil verdadeiro.

Foi em Taperoá que ele começou a estudar.
Pela primeira vez, MAMULENGOS, ele viu.
Ao desafio improvisado de VIOLA, assistiu.
A cultura nordestina ele começou a amar.
Em quarenta e dois, no Recife, foram morar.
Lá no Ginásio Pernambucano, ele estudou.
Foi para o Americano Batista onde continuou.
O secundário, no Osvaldo Cruz veio se formar.

Ariano Suassuna, aos 80 anos Foi na Faculdade de Direito, onde ele estudou.
Que Hermilo Borba Filho e ele se encontraram.
O Teatro dos Estudantes, eles dois fundaram.
Sua peça, Uma Mulher Vestida do Sol, encenou.
Esta sua peça que em quarenta e sete escreveu.
Foi a sua estreia como autor teatral e escritor.
Cantando a vida nordestina mostrou seu valor.
A Peça “Cantam as Harpas do Sião”, convenceu.

Em quarenta e oito essa sua peça foi montada.
O Teatro do Estudante de Pernambuco encenou.
No ao seguinte “Os Homens de Barro”, encantou.
E teve a Peça, “Auto de Santa Cruz”, encenada.
Com essa Peça o prêmio Martins Pena recebeu.
No ano de cinquenta, em DIREITO, se formou.
Para curar-se do pulmão, à sua Taperoá voltou.
Lá, a peça “Torturas de Um Coração”, escreveu.

Tudo isso, no ano de cinquenta e um, acontecia.
Em cinquenta e dois, para Recife, ele retornou.
No Recife, sua residência definitiva ele montou.
Em cinquenta e seis ele dedicou-se a advocacia.
A sua atividade teatral, ele jamais abandonou.
Fez O Castigo da Soberba e O Rico Avarento.
Com Auto da Compadecida fez o seu momento.
Do Teatro ao Cinema, nosso país o consagrou.

Foi seu “Auto da Compadecida” considerado.
Por Sábato Magaldi o seu texto mais popular.
Todos os teatros do Brasil passaram a encenar.
No Brasil inteiro o seu nome foi consagrado.
Neste mesmo ano, de advogar, Ariano deixou.
Professor da UFPE onde estética ele ensinava.
Sua Peça o Santo e a Porca, foi logo encenada.
Pela Cia. Sergio Cardoso, ao Brasil encantou.

Com o Homem da Vaca e o Poder da Fortuna.
A peça A Pena e a Lei, pelo país foi encenada.
No Festival Latino Americano foi premiada.
Coroando de Glorias nosso Ariano Suassuna.
O Teatro Popular do Nordeste Ariano fundou.
“A Caseira e a Catarina” foi logo encenada.
E sua carreira de dramaturgia foi encerrada.

As suas aulas de Estética na UFPE se dedicou.
Fundador do “Conselho Federal de Cultura”.
Em setenta iniciou o “Movimento Armorial”.
Ele foi divulgador da arte popular tradicional.
De Miguel Arraes foi o Secretário da Cultura.
A prosa e a ficção, Ariano, também se dedicou.
D’A Pedra do Reino, o seu romance mais lido.
Pelo povo Brasileiro ele passou a ser querido.
Nosso mundo literário, ao Ariano, se curvou.

Em São José do Belmonte, Ariano ergueu.
Ao ar livre, um teatro, para ser santuário.
Dezesseis pedras em círculo, como cenário.
Da cavalgada, pela inspiração que lhe deu.
Para, d’A Pedra do Reino, Ariano escrever.
Juntou o sagrado e o profano pra ser visto.
O Santo Padroeiro São José e Jesus Cristo.
A Nossa Senhora, que protegeu o seu viver.

Membro da Academia Paraibana de Letras.
Aqui da UFRN recebeu o título de Doutor.
Para Brasil inteiro foi um grande professor.
Membro da Academia Pernambucana de Letras.
Em três de agosto do ano de oitenta e nove.
Para a Academia Brasileira de Letras foi eleito.
Um ano depois, sua posse foi um grande feito.
Com o seu discurso o país inteiro se comove.

Hoje ele está ao lado da sua Compadecida.
Lá do céu, pelo nordestino, ele está olhando.
Ariano, a sua obra continua nos ensinando.
A sorrir, amar, ser feliz e viver a nossa vida.
Um pouco da sua vida nessa poesia eu falei.
É tão extensa e tão bela, não dá para contar.
Importante é que consegui lhe homenagear.
Acreditem; ao ler sua história me emocionei.


Autor: Poeta Cypriano Maribondo
Email: cmgtpoeta@yahoo.com.br
Página adicionada em 31/Julho/2014.

 

 

Pesquisa personalizada

 

 

Livros Digitais Campeões do Futebol

Ir ao Topo