Campeões do Futebol
Pesquisa personalizada
Siga o Campeões do Futebol no Facebook

HISTÓRIA DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA PONTE PRETA

Associação Atlética Ponte PretaASSOCIAÇÃO ATLÉTICA PONTE PRETA
Fundação: 11 de agosto de 1900
Endereço: Pça. Dr. Francisco Ursaia, 1900
Jd Proença, Campinas/SP - CEP: 13026-350
Estádio: Moisés Lucarelli
Site Oficial: www.pontepretaesportes.com.br
  História      |      Fundadores/Ata      |      Linha do tempo      |      Títulos      |      Hino
  Estádio       |       Diversos                                                                               + CLUBES
A Ponte
O século 19 estava chegando ao seu final e por volta de 1860 em Campinas existia o Bairro Alto, que se iniciava no Largo do Tanquinho, hoje conhecido como Largo do Pará localizado entre a rua Barão de Jaguara e Av. Francisco Glicério. Em 1870, com a construção da Ferrovia Paulista ligando Jundiaí e Campinas, foi necessário a construção de uma "PONTE" de madeira para interligar a cidade à estrada de São Paulo. Para suportar a passagem dos trens à vapor a PONTE recebeu uma camada de “piche” para impermeabilização, o produto a deixava enegrecida e daí surgiu o nome PONTE PRETA. Por volta de 1872 o Bairro Alto passou a ser conhecido como Bairro da PONTE PRETA e isto até os dias de hoje.

No bairro existia um campo de futebol denominado “Campo do Cruzeiro”, este nome devido a grande Cruz instalada nas proximidades, onde hoje se encontra a Igreja Matriz de Santo Antônio, no caminho que levava ao Cemitério do Fundão, atual Cemitério da Saudade. O campo de futebol feito de terra batida ficava entre o Cruzeiro da Missões e a Caixa d’água.

Foi neste campo, por volta de 1897 que alunos do antigo Ginásio “Culto à Ciência” praticavam um novo e fascinante esporte que estava despontando na Capital Paulista, o FUTEBOL, introduzido na cidade pelo ferroviário escocês Thomas Scott. Três anos mais tarde, com o crescimento dos adeptos e praticantes do futebol resolveu-se criar uma associação.

Em uma reunião relizada à sombra de duas paineiras na data de 11 de agosto de 1900, na casa de número 1 da rua Ponte Preta hoje conhecida como Rua Abolição e onde se localiza o prédio da Escola SENAI foi oficializado o nascimento da ASSOCIAÇÃO ATHLETICA PONTE PRETA, o primeiro clube do Brasil em funcionamento ininterrupto e dono da maior torcida do interior do País, capitaneados por Antonio Oliveira, Luiz Garibaldi Burghi e Miguel do Carmo.

Nesta mesma reunião foi eleita a primeira diretoria, assim composta: presidente: Pedro Vieira da Silva, secretario Alberto Aranha, tesoureiro Miguel do Carmo, procurador Antonio de Oliveira, fiscal de campo Luiz Garibaldi Burghi.

O primeiro campo oficial utilizado foi o campo do Cruzeiro, chamado assim por ficar próximo ao Cruzeiro das Missões, chegando a usar também o campo do Hipodromo do Jockey Clube.

Entre os anos de 1910 e 1919, a PONTE PRETA conquistou o Campeonato Campineiro de Futebol em 1912, seu primeiro título. Nos anos 20, passou por sérias dificuldades, voltando quase ao amadorismo, devido a decadência do futebol do interior paulista, onde os Clubes da Capital, mais organizados e financeiramente em melhores condições, levavam os jogadores da região com promessas tentadoras, situação esta vivida nos dias de hoje, em pleno século XXI, nada mudou e o futebol do interior de São Paulo, que contínua em segundo plano e sendo fábrica de craques apenas, abastecendo os clubes mais poderosos com bons jogadores e de baixo custo.

Ocorreu então, a fusão com a Associação Athlética Campinas, e com a compra do patrimônio deste clube, a PONTE PRETA passou então a utilizar o estádio da Av. Julio de Mesquita no bairro do Cambuí, que ainda estava inacabado e todas as sedes do clube passaram a ser neste estádio.

Diante da crise mundial de 1929, o Clube Mais Querido de Campinas sofreu uma grande decepção em sua história, sendo obrigada a entregar o estádio para se livrar das dívidas contraídas e a partir de 1933 voltou a realizar seus jogos novamente no campo do Hipódromo, arrendado pelo Jockey Clube.

Os anos 40 foram anos cheios; em 1942 disputou o Campeonato Paulista do Interior, organizado pela Federação Paulista de Futebol que havia substituído a Liga Paulista e neste mesmo ano foi criada a primeira torcida organizada do clube. Dois anos depois, em 1944, surge a idéia da construção de seu próprio estádio, e o Presidente da época, Sr. Francisco Ursaia deu ao Sr. Moisés Lucarelli, conselheiro e cobrador do clube, a responsabilidade pela campanha da construção. O estádio foi inaugurado em 12 de Setembro de 1948, um dos maiores e mais modernos da época.

A partir da inauguração de seu estádio, a Ponte Preta vive fases diferenciadas, alternando entre boas e turbulentas, com acessos e rebaixamentos de campeonatos.

A Ponte passa a década de 60 lutando incansavelmente para obter o acesso a Divisão Especial, fazendo duas finais de campeonato históricas nos anos de 1961 e 1965, contra Prudentina e Portuguesa Santista respectivamente, mas o tão sonhado acesso aconteceu em 1969 quando se tornou Campeã da Primeira Divisão, tendo entre os heróis da conquista, o meia Dicá, um dos maiores craques da história do clube. A equipe montada para conseguir o acesso era tão forte tecnicamente e taticamente determinada, que no ano seguinte de seu acesso à Divisão Especial, chegou a sua primeira final de Campeonato Paulista, se tornando o primeiro clube do interior paulista realizar tal façanha, jogando contra o São Paulo F.C, sendo Vice-Campeã, perdendo o jogo final por 1 x 0. Ainda, em de 1970, foi o primeiro clube do interior de São Paulo a participar do Campeonato Nacional e em 1976 chegou em 6° lugar.

De 1976 a 1981, a Ponte Preta vive suaa melhor fase dae sua história, montando equipes fortes e sempre entre as melhores do Brasil, com revelações de jogadores fantásticos em suas categorias de base, tendo seus atletas convocados para defender a Seleção Nacional em Copas do Mundo, consolidando-se como fábrica de craques e um dos Grandes Times do futebol Brasileiro. Neste período chegou a mais três finais de Campeonato Paulista, 1977/79/81 e ao 3° lugar no Campeonato Brasileiro de 1981.

Após está fase maravilhosa, o clube foi rebaixado no ano de 1987 para segunda divisão do futebol Paulista, sendo este fato o mais doloroso e decepcionante para sua torcida e toda a cidade de Campinas em sua história, isto devido a grande fase vivida anteriormente e ao status conquistado, rebaixamento que não era aceito para um clube que já figurava na elite dos grandes clubes do Brasil.

O clube vive então uma das fases mais negras de sua história, pois, além de estar ausente dos principais campeonatos onde figuravam a elite do futebol brasileiro, sofre uma interminável crise financeira e administrativa, chegando a ter suas sedes sociais penhoradas e até arrecadações de seus jogos confiscadas.

Quando tudo parecia perdido, em fins de 1996, empresários da cidade, dedicados, e com capacidade e competência, formam uma equipe administrativa de igual competência e principalmente de muito amor pelo clube. Ponte-Pretanos compromissados com o resgate e recuperação da Ponte Preta.

Com a política de redução de custos, a crise financeira aos poucos foi sendo contornada e administrada, as origens foram sendo resgatadas, com o apoio total as categorias de base, marca predominante na vida do clube, em busca da revelação de novos jogadores, maneira mais viável e prática para sair da situação de não possuir atletas com vínculo ao clube, e tendo em vista que o mercado dos jogadores de futebol estava altamente inflacionado. Neste ano, a Ponte disputa os Campeonatos Paulista e Brasileiro na Segunda Divisão.

Em 1997 retorna a Divisão Principal do Futebol Brasileiro, após 11 anos disputando a Série B, em jogo decisivo contra o Náutico (PE), partida que terminou empatada, mas que deu a classificação e o acesso, ficando com o Vice-Campeonato Brasileiro.

O Ano do Centenário - 2000

A Ponte Preta chega ao seu centenário, ressurgida como grande força do futebol brasileiro, fruto de um trabalho de amor pelo clube, desde a limpeza do terreno para o campinho em 1900, passando pela construção de seu Estádio, que foi realizado pelas próprias mãos de sua torcida, até os dias de hoje, na era da evolução tecnológica, da diminuição das distâncias pela Internet, da globalização, é incontestável negar que suas origens e sua vida estão entrelaçadas com a história e a população de sua cidade, de sua região. A Clube segue seu pioneirismo se tornando um dos primeiros a se tornar Empresa, adaptada às exigências da Lei Pelé. Resgatou o título de fábrica de craques.

A Ponte Preta é sem dúvida o clube de futebol que nasceu no coração de seus fundadores e torcedores, muitos até nem compreendem como um clube sem títulos importantes no futebol consegue despertar tanta paixão em seus torcedores, contagiando desde os mais velhos até as novas gerações e toda uma região, em todo país e fora dele.

O momento atual que vive o clube é um dos melhores dos últimos anos. Está na elite do futebol brasileiro e na elite do futebol paulista com jogadores de qualidade e que se dedicam ao máximo a manter a "Macaca" como uma das grandes potências do futebol Bretão.
  História      |      Fundadores/Ata      |      Linha do tempo      |      Títulos      |      Hino
  Estádio       |       Diversos                                                                               + CLUBES
Fontes: Arquivo www.campeoesdofutebol.com.br, www.planetadamacaca.cjb.net, br.geocities.com/webroger2003 e www.pontepretaesportes.com.br
Página adicionada em 07/Fevereiro/2010 - atualizada em 07/Março/2013.
Pesquisas de Sidney Barbosa da Silva
  CAMPEÕES   ESPECIAIS
  + ESPECIAIS   + FUTEBOL
Camisa de 1951
Camisa retrô do ano de 1951 lançada pela Lotto




Camisa 1
Camisa n° 1 (2010)




Camisa 2
Camisa n° 2 (2010)




Macaca
Macaca, a mascote
Shopping Campeões do Futebol
SBSites Internet Historia do Guarani de Campinas (SP)
   Home      Historiadores      Blog Campeões      Loja Campeões
  Arquivo Campeões do Futebol - Desde 2005 | Desenvolvido e mantido por Sidney Barbosa da Silva | Hospedagem SBSites Brasil
 
  * Permitido a reprodução de todo conteúdo desde que citada a fonte e o Autor/Pesquisador