Arquivo
   Especiais
   + Futebol
  História   |   Títulos   |   Hino   |   Diversos                     + CLUBES
Rio Branco AC RIO BRANCO ATLÉTICO CLUBE
Fundado em 21 de Junho de 1913
Av. Nossa Sra. da Penha, 1495 Ed. Corporate Center, sala 607 - Santa Lúcia, Vitória/ES CEP: 29056-905
Estádio: veja » Todos os estádios
Site Oficial: www.rbac.esp.br
História
Inicialmente fundado com o nome de Juventude e Vigor por meninos que praticavam as peladas e rachas em campos improvisados nos bairros. Eram garotos que já praticavam o futebol em equipes ligadas a instituições de ensino tradicionais da época (Colégio estadual e Escola Normal), e a equipes ligadas a elas - o Sul América e o XV de Novembro.
Mas os pobres também gostavam dos "rachas". Entre eles, José Batista Pavão e Antônio Miguez, até então balconistas em uma casa de ferragens. Os dois, em uma das muitas conversas sobre futebol, em
conjunto com Edmundo Martins, também balconista, decidiram fundar um time. E no segundo domingo do mês de junho de 1913 marcaram uma reunião, onde trouxeram vários convidados.
 
O primeiro a aceitar o convite foi Nestor Ferreira Lima, que apesar de estudar no Colégio Estadual, não jogava no Sul América. Os meninos presentes, todos entre 14 e 16 anos, trocaram idéias e discutiram sobre tudo, da bola inglesa aos gorros. Nova reunião foi marcada, desta vez para a fundação do clube. A reunião foi marcada para o dia 21 de Junho de 1913 e os convidados deveriam levar uma sugestão de nome para o novo clube.
 
No dia marcado, as sugestões de nomes foram variadas, desde nomes de personalidades da História do Brasil e datas comemorativas. Também várias sugestões de nomes de heróis portugueses, mas os mais populares já davam nomes a clubes existentes em Vitória (Saldanha da Gama e Álvares Cabral). Interessante notar que foi assim em vários locais do país.

As alternativas forma se escasseando, quando um dos jovens, que Antônio Miguez não se recorda, sugeriu uma homenagem aos próprios jovens que o idealizaram, jovens e vigorosos. Surgiu o "Juventude e Vigor", das cores verde e amarela.

A importante reunião aconteceu na casa de Nestor Ferreira Filho, na Rua Sete de Setembro, mais precisamente num cômodo cedido pelo pai deste, junto ao seu escritório de contabilidade. Entraram para a história do "mais querido" do Estado os fundadores Edmundo Martins, Antônio Miguez, Gervázio Pimentel, José Fiel, José Batista Pavão, Cláudio Daumas, Otávio Alves de Araújo, Hermenegildo Conde, Adriano Macedo, Antônio Gonçalves de Souza e Nestor Ferreira Filho, que seria seu primeiro presidente.
 
A Mudança do nome

Em 10 de fevereiro de 1914, o Juventude e Vigor cederia lugar em sua denominação ao Rio Branco Futebol Clube, que ganhava a simpatia dos capixabas, e já formava equipes fortes e vencedoras. O novo nome surgia de uma homenagem, que os fundadores decidiram prestar à figura exponencial do Chanceler José Maria da Silva Paranhos, o Barão de Rio Branco, então em grande evidência na política nacional.

A mudança das cores

Segundo o joprnalista Oscar Gomes Filho, tudo leva a crer que a mudança das cores, de Auri-verde para Alvi-negro, ocorreu numa reunião realizada em 20 de maio de 1917. Segundo o ex-presidente Luiz Gabeira, "o verde e o amarelo desbotavam muito, eram cores ingratas".

Na hora de escolherem a nova cor, Giberto Paixão, que aderira ao clube em companhia da maioria dos 'ex-jogadores' do Sul América, fez a sugestão aos companheiros: "Vamos colocar o preto e branco, que pegam muito bem, como era na camisa do Sul América". Querido pela educação que tratava a todos e admirado e respeitado pelas qualidades técnicas que faziam dele o melhor jogador do time e de Vitória, Paixão teve a idéia aclamada pelos companheiros. O clube adotava, assim, as cores que, para alegria de Paixão, eram não apenas do extinto Sul América, mas também do Botafogo, do Rio de Janeiro, clube pelo qual outros meninos torciam.

Os anos que se seguiram

Anos depois, na década de 30, e já tendo construído o Estádio Governador Bley, o clube perderia sua praça esportiva, para pagar dívidas. Viveu, então, sua pior fase desde a fundação, com os adversários apregoando seu fim. Seus mais ferrenhos e abnegados seguidores não permitiram, no entanto, que isso acontecesse. Tendo à frente seu mais empolgado e obstinado torcedor, Laonte de Lima Soares, um grupo de associados, do qual participavam praticamente todos os seus jogadores, criaram o Riobranquinho, uma sigla diminutiva para o mesmo clube forte e ganhador dos anos anteriores. Já era, disparado, o maior conquistador de títulos no Estado, o "mais querido" da torcida e o legítimo representante capixaba em certames nacionais. Grandioso, apesar do nome Riobranquinho, o clube, finalmente, em 18 de Março de 1941, recebeu a denominação que mantém até hoje, Rio Branco Atlético Clube. O "Atlético" substituiu ao "Futebol", de antes, para possibilitar a prática de outros esportes, que ganhavam força e prestígio popular na época, como o basquete e a natação.

Veja também » a história dos estádios do Rio Branco
Fontes: Arquivo Campeõers do Futebol e www.rbac.esp.br
Pesquisas de Sidney Barbosa da Silva
Página adicionada em 20 de Fevereiro de 2010.
  História   |   Títulos   |   Hino   |   Diversos                     + CLUBES
: SHOPPING CF :
Mascote Capa Preta
O Cavaleiro Capa Preta é o Mascote
Em homenagem ao Sr. Lafayete Cardoso de Resende - torcedor símbolo da década de 20 - pois sempre ia aos jogos cavalgando, no antigo Estádio de Zinco, com uma Capa Preta para se proteger da poeira.



Barão do Rio Branco
A mudança de nome do clube, em 1916, é uma homenagem ao Barão do Rio Branco



Camisa listradas
Camisa listradas



Camisa branca
Camisa branca
Pesquisa personalizada
Arquivo Campeões do Futebol - www.campeoesdofutebol.com.br - Desenvolvido e mantido por Sidney Barbosa da Silva - Desde 2005