Começa o "Genar Wanderley" - Diário de Natal, o7/11/1968
Com duas partidas será iniciado esta noite o torneio "Genar Wanderley", reunindo os excedentes do Nordestão, que são América, Ferroviário, Atlético e Riachuelo. (Nota CF: Todos de Natal).

O torneio terá rodadas duplas, sempre com o América fazendo a peleja principal, considerando que o clube rubro será o "chamariz" do quadrangular.
Juízes
Para o torneio "Genar Wanderley", somente atuarão juizes que estejam sobrando do Nordestão.

Sobre o torneio:
• Torneio em Homenagem ao falecido desportista Genar Wanderley, ex-atleta, sócio e diretor do América Futebol Clube de Natal, ocorrida um ano antes, em 1° de outubro de 1967.

O Torneio foi disputado em dois turnos e alguns dos resultados não foram "achados" nos periódicos.

Clubes Participantes
América Futebol Clube
C. Atlético Potiguar
Ferroviário EC
Riachuelo AC

JOGOS

07/11/1968- Riachuelo 1 x 1 Atlético, preliminar de América x Ferroviário
Juiz: Evaristo Lima, auxiliado por Eli Morais e Aranaldo Honório
Gols: Bozó (Atlético) e Jaldemir (Riachuelo)
07/11/1968- América 2 x 0 Ferroviário
Juiz: Genivaldo Quirino da Silva, auxiliado por José Maria e José Ribamar Silveira
Renda: Cr$ 1.037,00 - Gols: Adeildo (32') e Evaldo (42')

10/11/1968- Riachuelo 4 x 1 Ferroviário, preliminar de América x Atlético
Juiz: Evaristo Lama, auxiliado por José Ribamar e Luiz Gonzaga
Gols: Edilson (1'), Nazareno (aos 21', 63' e 69'), diminuindo Macaiba, aos 47' para o tricolor.
Riachuelo: Biro (Salomão), Nino, Orlando, Jacio e Miltinho; Jairo e William; Bazinho, Edilson, Nazareno e Jaldemir (Ivan Alves). Técnico: Osiel.
Ferroviário: Brilhante, Zoca, Pedrinho, Josimar e Mário; Jamiel (Arnaldo) e Xuxa; Macaiba, Marcos, China e Creso (Zezinho). Técnico: Tavares.

10/11/1968- América 3 x 1 Atlético
Juiz: José Maria da Silva, auxiliado por Arnaldo Honório e Genival Quirino.
Gols: Assis (6' e 76'), Edvaldo (80'), para o América, Dão (35') para os rubro-negros.
América: Franz, Souza (Pirangi, no intervalo), Gaspar, Luiz Mário e Edvaldo; Adeildo e Véscio (Zé Leite, aos 34'); Ribeiro, Assis, Evaldo e Lia. Técnico: Pedrinho.
Atlético: José do Pote (tal apelido que acaba com qualquer jogador), Jairo, Paulo Tubarão, Rodrigues e Vavá; Toinho e Orlandinho (Chagas, aos 40'); Bozó, Dão, Paulo Frutuoso (Carlinhos, aos 70') e Hélio. Técnico: Orlando Santiago.

16-11-1968- Ferroviario x Atlético
16-11-1968- América x Riachuelo

19/11/1968- Riachuelo 4 x 0 Atlético, preliminar de América x Ferroviário
Juiz: Osman Camilo, auxiliado por Luiz Gonzaga e José Maria.
Gols: Nazareno (44'), Gobat (47'), Jaldemir (55') e Jairo (86').
Riachuelo: Biro; Nino, Jácio, Orlando (Araújo, aos 62 minutos) e Miltinho; William (Canindé, aos 76 minutos); Bazinho, Gobat, Nazareno e Jaldemir. Técnico: Osiel.
Atlético: Floriano; Arlindo (Jairo, no intervalo), Paulo, Erivan e Vavá; Toinho e Orlandinho; Bozó, Indio, Paulo (Chagas, aos 49 minutos) e Hélio. Técnico: Orlandinho.

19/11/1968- América 2 x 0 Ferroviário
Juiz: Evaristo Lima, auxiliado por José Maria e Genival Quirino
Gols: Zé Leite (87') e Alderico (88')
América: Franz; Batata, Toinho, Brito e Pirangi (Souza aos 65 minutos); Arandir e Zé Leite; Ribeiro, Assis (Martinho, aos 60'), Alderico e Lia. Técnico: Pedrinho.
Ferroviário: Brilhante; Eider, Josimar, Pedrinho e Gol'nha; Jamiel, Xuxa e Domiciano (Ilo, aos 40'); Macaiba, China e Zezinho. Técnico: Tavares.

04/12/1968- Atlético 2 x 0 Ferroviário, preliminar de America x Riachuelo
Juiz: Gabriel Feliciano, auxiliado por Francisco Victorio e Luiz Barbosa.
Gols: Dão (2)
Atlético: Floriano, Vavá, Erivan, Paulo Tubarão e Medeiros; Toinho e Amigo; Bozó (Indio), Dão, Paulo e Chagas. Técnico: Orlandinho Santiago.
Ferroviário: Brilhante, Eider, Pedrão, Josimar e Célio; Ilo e Domiciano (Macaiba, aos 54'); Creso, Jamiel, China e Leão (Zezinho). Técnico: Tavares.



04/12/1968- América 1 x 0 Riachuelo
Taça GW ficou em casa: América é o campeão. Diário de Natal, 05 de dezembro de 1968
America campeão do Torneio Genar Wanderley de 1968
Na foto de FERREIRA o time do América que atuou ontem. Fonte: Diario de Natal, 05-12-1968.
 
Falou mais alto a boa estréia de Pedrinho Teixeira e o América ficou como campeão do "Genar Wanderley". Se fôssemos distribuir méritos pelo que produziram - em todo o torneio, claro que o clube naval teria sido o ganhador, de justiça. Mas, a prevalecer o vencedor da partida de ontem o América fez por onde conquistar a taça, porque foi mais time justamente na hora em que mais devia sêlo.

O Riacheulo lutou, seu adversário tambem. Os navais tiveram raras chances de gol, o América teve duas (inclusive o penaltie) e soube aproveitar uma delas, marcando o tento que acabou sendo suficiente para levar o titulo.

A par disso, jogou bem o time dirigido por Pedrinho que não teve somente um elogiavel espírito de equipe, como demonstrou o entrosamento que ainda vivia ausente desde a assunção do "feiticeiro".

E ficou em boas mãos a taça Genar Wanderley, pois afinal de contas um trofeu com o nome dêsse saudoso desportista só ficaria bem mesmo na casa que foi sua segunda morada quando vivo.

América, enfim, convenceu
O jôgo principal, reunindo América e Riachuelo, correspondeu ao que se esperava. Foi uma partida disputado renhidamente, com uma garra como se o título de algo superior estivesse em jôgo, e não o de um despretencioso torneio. Mas, como futebol vive de rivalidade, valeu a emulação criada em tôrno do classico porque o público acabou lucrando.

O primeiro tempo foi de um equilibrio notável, quer em chances (poucas) perdidas, que em erros (também poucos). Foi uma etapa rigorosamente igual, o América seguro na defesa, o Riachuelo mandando mais no mêio campo, deixando a "balança" com os pratos iguais.

Já, no segundo tempo, inclusive porque atacava para o gôl de entrada o time rubro foi mais equipe, aprimorando os defeitos que apareceram mais visiveis na primeira fase. Apenas, ligeira restrição ao "miôlo", que so vai melhorar entrando Xuxa no lugar ainda duvidoso, se Vescio ou Adeildo. Mas, há um setor onde o treinador Pedro Teixeira precisa dar atenção: lateral esquerda. Ou Pirangi reconhece que é um profissional do futebol, deixando seu temperamento irascível forma do gramado ou o clube terá que pensar noutro nome. Não é possivel é ter que modificar os planos do técnico porque o jogador escalado não merece confiança, trocando ponta-pés ao mais simples deslize com o seu marcador.

Tranquilidade que faltava
Outro grande fator concorreu para a vitória do América: a tranquilidade dada com as presenças de Toinho e Nivaldo, deixando Brito menos "estourador". Corrigido aquele defeito da equipe não foi dificilbuscar a paz de espirito que faltava a alguns homens. O resto virá com o tempo.

Destaques:
No América, Toinho, Nivaldo, Vescio, Alderico, Assis e Lia, êste ainda burilando muito quando poderia ser menos dispersivo. No Riachuelo, Jácio, Jairo, Mazinho e Valdemir. A "Flecha negra" (Nazareno) não repetia suas melhores atuações.

Após a partida, um filho do saudoso desportista Genar Wanderley fez a entrega da taça que leva o seu nome.

Fonte: Diario de Natal de 30-09-1968, 07-11-1968, 08-11-1968, 11-11-1968, 13-11-1968, 20-11-1968, 05-12-1968; e Arquivo www.campeoesdofutebol.com.br.
Pesquisas de Sidney Barbosa da Silva - Página adicionada em 19/Maio/2019.

 

Livros Digitais Campeões do Futebol